terça-feira, 4 de agosto de 2015

"SE VOCÊ ENTREGAR O LULA, SAI RAPIDINHO!..."









De acordo informações do jornal Valor Econômico, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou no "radar" da Operação Lava Jato, de acordo com uma autoridade diretamente envolvida nas investigações logo após a prisão preventiva do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu.
Dirceu foi preso ontem na 17ª fase da Operação, a Pixuleco. Ele é investigado por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro por receber R$ 29 milhões em sete anos, de empresas investigadas por meio da JD Assessoria e Consultoria.
"Por enquanto são suspeitas. Ele [Lula], por ora, não é investigado. Mas ele está no radar", afirmou a autoridade ao jornal. Segundo o jornal, chama a atenção dos investigadores o fato do ex-presidente ter recebido pagamentos a título de remuneração por palestras de empresas investigadas na Operação Lava Jato. Aliás, no mês passado, foi aberto um inquérito no MPF (Ministério Público Federal) para investigar o petista por suposto tráfico de influência.
Segundo o procedimento investigatório criminal aberto no último dia 8, o ex-presidente “teria obtido vantagens econômicas da Empreiteira Odebrecht, a pretexto de influir em atos praticados por agentes públicos estrangeiros, notadamente dos governos da República Dominicana e de Cuba, em relação a obras financiadas pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e por agentes públicos federais brasileiros”.
De acordo com a fonte ouvida pelo Valor, "ele [Lula] recebeu valores daquelas empresas investigadas. No exercício do mandato dele não há nenhum indício de que tenha recebido. Mas depois que ele saiu do cargo, recebeu aqueles valores referentes a palestras pelo Instituto [Lula], que têm de ser pensados". A Lils palestras, Eventos e Publicidade Ltda, empresa aberta por Lula para receber remuneração pelas palestras, recebeu R$ 1,5 milhão da Camargo Corrêa.
"Nenhum dos delatores disse que os pagamentos recebidos por Lula foram propina. Mas os valores não deixam de ser suspeitos. Nos parece incompatível se considerarmos que as empresas pagavam mais de R$ 300 mil por palestra que sequer comprovação têm, e ainda com esse custo". O ex-presidente, por meio de sua assessoria, ressaltou a legalidade das palestras.
E a prisão de Dirceu no âmbito da Lava Jato acirrou ainda mais os ânimos contra o PT e a presidente Dilma Rousseff, segundo o Palácio do Planalto. Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, auxiliares de Dilma temem que a investigação atinja Lula, mesmo sem provas concretas.
De acordo com o jornal, o assunto foi tratado em conversas reservadas entre ministros, ontem, antes da reunião de coordenação política. A ordem no Planalto é proteger Dilma do novo escândalo, que tem potencial para dar munição aos protestos marcados para o dia 16 contra o governo e a corrupção.
Dirigentes da corrente majoritária Construindo um Novo Brasil, de Lula e Dirceu, discutiram os desdobramentos da crise em Brasília na segunda-feira, e hoje haverá reunião da Executiva Nacional. Petistas teriam recebido informações de que integrantes da Polícia Federal e do Ministério Público estariam dizendo aos presos: “Se você entregar o Lula, sairá rapidinho.”




Nenhum comentário:

Postar um comentário