sábado, 28 de janeiro de 2017

TEMER ESTÁ CITADO EM 4 DAS 77 DELAÇÕES DA ODEBRECHT



A Trinca de Ás que, além de achacar empreiteiros, se tornaram "sócios" dos lucros da Caixa Econômica


Assim que a ministra Cármen Lúcia homologar as 77 delações premiadas da Odebrecht, o que deve ocorrer até a terça-feira 31, Michel Temer terá novos constrangimentos.
 
Além de já ter sido citado 43 vezes na delação premiada do executivo Cláudio Melo Filho, lobista da empreiteira em Brasília, por ter pedido R$ 10 milhões no Jaburu (leia aqui), ele aparecerá em pelo menos mais três delações: as de Marcelo Odebrecht, Márclo Faria e Benedicto Júnior.

Este último relatou um jantar que envolveu Temer, Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara, e Moreira Franco, para tratar de corrupção na Caixa Econômica Federal e contribuições de campanha, segundo informações do jornalista Mauricio Lima, editor da coluna Radar.

Uma operação recente da Polícia Federal revelou que Geddel Veira Lima, braço direito de Temer, e Eduardo Cunha cobravam propinas de empresas que levantavam recursos na Caixa (leia aqui).

Leia, abaixo, reportagem da Reuters sobre o trabalho de Cármen Lúcia:

Presidente do STF manterá análise de delação da Odebrecht no fim de semana.
 
BRASÍLIA (Reuters) - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, deve trabalhar durante o fim de semana para construir sua decisão sobre as delações de 77 executivos da Odebrecht, podendo inclusive ir ao seu gabinete, na sede da Suprema Corte.

Mas a chance de a ministra anunciar sua decisão sobre as homologações no sábado ou no domingo é muito pequena, na avaliação de uma fonte com conhecimento do assunto.

Com a morte do ministro e relator dos processos da Lava Jato no Supremo, Teori Zavascki, em queda de avião na semana passada, ficou nas mãos de Cármen Lúcia a tarefa de decidir tanto sobre as homologações, quanto sobre quem herdará a relatoria.

Na avaliação dessa fonte, a ministra tem os instrumentos necessários para, se considerar oportuno, determinar a homologação. Ela pode, inclusive, homologar apenas parte das colaborações.

Como plantonista do recesso do Judiciário, Cármen Lúcia pode decidir questões urgentes até o dia 31 de janeiro. Além disso, na terça-feira o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao STF um pedido de urgência para a homologação das delações, abrindo espaço para a presidente do Supremo autorizar as homologações antes do início dos trabalhos, no dia 1º de fevereiro.

A abertura do ano judiciário, prevista para a próxima quarta-feira, é encarada por essa fonte como um “divisor de águas” para a ministra externar sua decisão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário