sábado, 4 de fevereiro de 2017

DEFESA ACUSA SERGIO MORO DE TER PERSEGUIDO IMPLACAVELMENTE DONA MARISA LETÍCIA, FAZENDO-A SOFRER DANOS INSUPERÁVEIS APÓS TER SUA CASA INVADIDA POR UM "EXÉRCITO DE POLICIAIS" VENDO "SUA VIDA E INTIMIDADE, ASSIM COMO A DE SEUS FILHOS E NETOS, EXPOSTA NA MÍDIA NACIONAL E INTERNACIONAL"



ESSE JUIZ PARCIAL E DESMORALIZADO AO SER FLAGRADO AOS AGARRAMENTOS E GARGALHADAS COM O GANGSTER AÉCIO NEVES TEM QUE RESPONDER POR ESSE E OUTROS CRIMES QUE TEM PRATICADO EM NOME DA PLUTOCRACIA.


A equipe de advogados que cuida da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva divulgou uma emocionante nota em que lamenta a morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia e o fato de que ela não poderá ver triunfar o reconhecimento de sua inocência por um juiz imparcial, deixando implícito o comportamento persecutório de Sergio Moro; os advogados ressaltaram que dona Marisa sofreu danos insuperáveis após ter sua casa invadida por um “exército de policiais” e que viu "sua vida e intimidade, assim como a de seus filhos e netos, exposta na mídia nacional e internacional"; "A consequência jurídica do seu falecimento será a extinção, em relação a ela, das duas ações penais propostas – de forma irresponsável – pelo Ministério Público Federal. Foi com muito orgulho que atuamos na defesa de uma pessoa digna e honesta, que foi injustamente perseguida e vítima de falsas acusações", confira a nota:
 
D. Marisa não poderá, lamentavelmente, ver triunfar o reconhecimento de sua inocência por um juiz imparcial.
 
A consequência jurídica do seu falecimento nesta data (03.02.2017) será a extinção, em relação a ela, das duas ações penais propostas - de forma irresponsável - pelo Ministério Público Federal.

Foi com muito orgulho que atuamos na defesa de uma pessoa digna e honesta, que foi injustamente perseguida e vítima de falsas acusações.

Reafirmamos nossa expectativa de que prevaleça a justiça nas ações que propusemos em seu favor, com o objetivo de reparar sua honra e imagem e ainda responsabilizar aqueles que cometeram os atos ilegais e arbitrários que resultaram nas violações que tanto a impactaram.

Em 4 de março de 2016, D. Marisa teve sua casa invadida por um exército de policiais e viu sua vida e intimidade, assim como a de seus filhos e netos, expostas na mídia nacional e internacional. Os danos foram insuperáveis.

Reafirmamos igualmente o compromisso de lutar por uma justiça imparcial, fundamental ao Estado Democrático de Direito.

Cristiano Zanin Martins, Valeska Teixeira Martins, Larissa Teixeira e Roberto Teixeira


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário