domingo, 4 de junho de 2017

TEMER: "SE QUISEREM QUE EU SAIA, TÊM QUE ME MATAR"



ACUADO NO PALÁCIO DO JABURU DE NOITE, E DURANTE O DIA NO PALÁCIO DO PLANALTO, ESSA ALMA PENADA, CAÇADA PELO QUE RESTA DE JUSTIÇA NO BRASIL, NÃO SE VÊ ACOMPANHAR NEM MESMO DA FAMÍLIA, QUE QUER MAIS É DISTÂNCIA DESSE MORTO VIVO.



Em sua coluna deste domingo, o jornalista Lauro Jardim, primeiro a publicar as delações da JBS, revela que Michel Temer teria dado um único caminho para sua remoção do Palácio do Planalto: seu assassinato.
 
– Fique tranquilo, não vou renunciar, não vou sair. Vou recorrer até o fim. Se quiserem que eu saia, têm que me matar.

A frase teria sido dita por Michel Temer ao presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), que teria proposto a sua renúncia.

Apegado ao cargo, Temer será o primeiro ocupante da presidência da República na história do Brasil – e de qualquer país minimamente civilizado – denunciado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial, que evita a renúncia e se mantém no poder por um ato de vontade.

Ontem, seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, que recebeu uma mala com propinas de R$ 500 mil da JBS, foi preso.

Segundo delatores da empresa, o dinheiro era destinado a Temer.

Na tragédia nacional, as forças que deram o golpe ainda não encontram uma forma de se livrar do desastre criado para o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário