quinta-feira, 13 de julho de 2017

JBS PAGAVA INDIVIDUALMENTE 20 MIL POR MÊS A 200 AUDITORES FISCAIS FEDERAIS AGROPECUÁRIOS DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PARA QUE A PORCARIA CHEGASSE ÀS NOSSAS MESAS



OPERAÇÃO CARNE FRACA PRENDE SUSPEITO. DELAÇÃO DA JBS É QUE PELO MENOS 200 AUDITORES FISCAIS FEDERAIS AGROPECUÁRIOS DO MAPA RECEBIAM PROPINA PARA PERMITIR QUE OS BRASILEIROS SERVISSEM EM SUAS MESAS PROTEÍNA ANIMAL FORA DOS PADRÕES DE HIGIENE PREVISTOS.





Maior processadora de proteína animal do mundo, a JBS pagou propina mensalmente, durante vários anos, a cerca de 200 fiscais do Ministério da Agricultura. O "mensalinho" chegava a R$ 20 mil por servidor. O objetivo era fazer os fiscais federais agropecuários flexibilizarem a aplicação das regras sanitárias.

As informações constam de anexo à delação premiada feita pelo presidente da JBS, Wesley Batista, ao Ministério Público Federal (MPF). A relação com os nomes dos fiscais envolvidos será enviada ao MPF em até 60 dias, segundo compromisso firmado por Wesley durante o processo de delação.

Essa lista deve fornecer mais munição à Operação Carne Fraca, justamente no momento em que o setor parecia se recuperar do baque de 17 de março, quando a operação da Polícia Federal foi deflagrada e provocou uma série de embargos internacionais à carne produzida no Brasil. Nas negociações com outros países, o novo escândalo deve enfraquecer a posição brasileira e dificultar a reabertura do mercado americano de carne bovina.


As informações são de reportagem do Valor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário