domingo, 9 de outubro de 2016

QUEM SÃO OS PATRÕES DOS MINISTROS DO STF?





PÔRRA!... CADÊ VOCÊS?...

ORA! COM CERTEZA ESTÃO CURTINDO UM EXCELENTE DOMINGO, CERCADOS DE BAJULADORES DE UM LADO E, DO OUTRO, DE BANDIDOS ESPERANÇOSOS, CAPAZES DE TUDO PRA NÃO PEGAR UMA CANA.

VOCÊS DEVERIAM SER ORGULHO PARA CADA UM DOS BRASILEIROS, NOTADAMENTE AQUELES QUE SEMPRE TIVERAM SEUS DIREITOS USURPADOS, E NÃO A VERGONHA MAIOR.

SIM!... VOCÊS SÃO A VERGONHA NACIONAL, PELO MENOS PARA OS NOTÁVEIS ACIMA, QUE REPRESENTAM QUASE 80% DOS QUE AQUI HABITAM.

VOCÊS ASSISTIRAM E CONTINUAM ASSISTINDO A DESMORALIZAÇÃO DA NOSSA CONSTITUIÇÃO, OU SEJA, VOCÊS NÃO TÊM A CORAGEM NECESSÁRIA PARA ESTAR ONDE ESTÃO, PORQUÊ, NO PRIMEIRO BERRO VINDO DE UM EDUARDO CUNHA, UM AÉCIO NEVES, UM MICHEL TEMER, UM GERALDO ALCKMIN, UM JOSÉ SERRA, UM ELISEU PADILHA, UMA CLÁUDIA CRUZ, UM ROBERTO MARINHO (TODOS CRIMINOSOS DELATADOS E ESQUECIDOS POR VOSSAS EXCELÊNCIAS), VOCÊS TREMEM NAS BASES. REÚNEM-SE A "BOCA MIÚDA" PARA AFINAR O DISCURSO E FAZER DE CONTA QUE ELES NÃO EXISTEM, E SÓ!...

QUANTA ESPERANÇA EU TINHA QUE QUANDO TUDO CHEGASSE AO SUPREMO A CONSTITUIÇÃO SERIA A MESMA PARA TODOS OS BRASILEIROS, MAS VOCÊS MOSTRARAM QUEM SÃO SEUS PATRÕES... E, COM CERTEZA, NÃO É O POVO BRASILEIRO QUE ESTÁ NAQUELES 80%.

A CONSTITUIÇÃO QUE TANTO NOS CUSTOU - LEVANDO-SE EM CONTA A ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA CONSTITUINTE, OS LONGOS MESES DE DEBATES INTENSOS E QUE RECEBEU O NOME DE CONSTITUIÇÃO CIDADÃ, PELAS CONQUISTAS NO CAMPO SOCIAL E DE PROTEÇÃO ÀS MINORIAS - HOJE É RASGADA NA CARA DE VOCÊS POR UM JUIZ QUALQUER DE 1ª INSTÂNCIA E UM BANDO DE PROCURADORES CORRENDO ATRÁS DE UM HOLOFOTE ESTEJA ONDE ESTIVER, COMPLETANDO ASSIM O CICLO DE DESMANTELAMENTO DAS NOSSAS INSTITUIÇÕES, O QUE SÓ INTERESSA AOS QUE PAGAM E RECEBEM ALTÍSSIMAS PROPINAS, PARA QUE TUDO CONTINUE EXATAMENTE COMO ESTÁ AÍ.

O DIABO ESTÁ SOLTO, E VESTE TOGA - ERA UMA VEZ UM PAÍS CHAMADO BRASIL



O diabo e a toga


Três, dois, um… Era uma vez um país chamado Brasil. Uma jovem e promissora democracia fundada numa Constituição que estabeleceu três poderes. O Executivo, eleito pela maioria da população, para implementar um programa de governo. O Legislativo, eleito pelo conjunto da sociedade, exatamente para exprimir as divergências e para exercer a política. E o Judiciário, que não é eleito mas tem a missão fundamental de garantir o equilíbrio e fazer com que seja respeitada a Constituição.
Isso não existe mais. O que temos hoje é um Executivo sem voto que impõe um programa rejeitado pela população. Um Legislativo que não respeita a lei e depõe uma presidente eleita. E um Judiciário que não garante o Estado de Direito e ignora olimpicamente tudo o que está sendo feito ao seu redor.
Acima desses poderes nós temos um outro, o Ministério Público, que se tornou o executor do estado policial entre nós.
E acima de todos temos a mídia oligopolizada, um superpoder ao qual todos os demais obedecem.
  
Eu guardo aqui comigo esta fotografia tirada numa madrugada de outubro de 1988. Aqui estamos, os jornalistas que cobrimos a Assembleia Nacional Constituinte festejando com essa figura, o doutor Ulisses Guimarães. Festejando o nascimento da nossa democracia.
Quis o destino, e esse é trapaceiro, que exatamente no 28º aniversário, a Constituição fosse estuprada por quem jurou defendê-la: o Supremo Tribunal Federal.
Revogada a presunção de inocência, o princípio sagrado e universal do Direito, voltamos ao reino da incerteza, do arbítrio, voltamos à lei do mais forte. Agora no Brasil manda quem pode, e quem pode mandou derrubar o governo eleito por 54 milhões de votos. Mandou criminalizar o PT, a corrente política mais importante desse país. E agora manda prender o ex-presidente Lula. Pois não é outro o sentido da decisão deste 5 de outubro no Supremo Tribunal Federal.
Tudo porque foram incapazes de vencer nas urnas.
Não se enganem, a maior vítima desse ano fatídico de 2016 não é a Dilma, não é o PT, não será o Lula. A maior vítima é esse livrinho aqui, com os direitos e garantias que ele consagrou.
Era uma vez uma democracia chamada Brasil.



A CEGUEIRA DE MORO: "NÃO SOMOS UMA SOCIEDADE DE CASTAS"



Mal congênito


Uma das bravatas da semana veio de Sérgio Moro. Ele comemorou uma decisão do STF que permite prisões em segunda instância — na dele, portanto — com as seguintes palavras: “Não somos uma sociedade de castas.”

Como assim?

Na verdade, somos, mais que nunca, ou como sempre, uma sociedade de castas.

Não fôssemos, os políticos do PSDB envolvidos em delações não teriam tratamento privilegiado.

Simplesmente não acontece nada com eles.

O delator e construtor Leo Pinheiro disse que o dinheiro dado a Aécio e a Dilma vinha exatamente da mesma fonte. Mas é como se um fosse puro e o outro sujo, pela forma distinta como Moro e a Lava Jato os tratam.

Aécio teve em Furnas uma fonte de propina de muitos e muitos anos. Que lhe foi cobrado por isso? Ou pelo aeroporto particular erguido com dinheiro público?

E Serra, com a denúncia de 23 milhões de reais cash que lhe deu uma construtora?

Como falar que não somos uma sociedade de castas? A mesma lei que vai servir para prender em segunda instância os suspeitos de sempre — os petistas — será engavetada quando se tratar dos “suspeitos de nunca” — os políticos a serviço da plutocracia.

Não fôssemos uma sociedade de castas, as corporações jornalísticas não teriam as mãos livres para cometer as barbaridades que cometem em nome de seus interesses privados.

E pagariam os devidos impostos, além disso. Não teriam as facilidades de sempre para sonegar como há tantos anos, décadas acontece. Cunha não estaria solto. FHC teria que explicar a compra de votos no Congresso que lhe permitiu um segundo mandato. E por aí vai.

Faz tempo que não lembro aqui Wellington, mas esta é uma situação que pede isso.

Quem acredita que não somos uma sociedade de castas acredita em tudo.



QUEM TEM LICENÇA PARA MATAR NO BRASIL É O MINISTRO DA JUSTIÇA ALEXANDRE MORAES



Ele


O ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão definiu seu sucessor Alexandre de Moraes como dono de “uma indigência intelectual assustadora” em entrevista ao DCM.

É um pouco além disso.

Moraes não tem menor condição de permanecer no cargo, mas tudo é possível no governo Temer, aquele não liga para pesquisas de popularidade porque não precisou disso para chegar aonde chegou.

Depois de fazer papel de cabo eleitoral em Ribeirão Preto e bravatear novidades da Lava Jato na semana seguinte, quando prenderam Palocci, ele se vê agora implicado na Operação Acrônimo.

Segundo a Folha, Moraes recebeu 4 milhões de reais de uma empresa investigada, a JHSF Participações, entre 2010 e 2014.

O dinheiro foi para seu escritório de advocacia.

Veja só: o ministro Luiz Fux arquivou liminarmente o caso depois de oito dias. Oito dias, repito. Uma decisão considerada “monocrática”.

Estranhamente, Fux não quis saber, como eu e você queremos, o que esses 4 milhões pagaram. Simplesmente não se interessou. Em tese, são “honorários advocatícios”. Então tá.

Mais um vez, o fato de o sujeito não ser do PT já lhe de dá uma imensa vantagem competitiva na Justiça.

Moraes está sendo também acionado por um PM por tê-lo acusado, sem provas, de ser responsável por uma chacina em Carapicuíba.

Na ocasião, ele disse à TV Globo que Douglas Gomes Medeiros “lamentavelmente, ao querer se vingar ao invés de comunicar a polícia para que realizasse as prisões, acabou praticando esses crimes”.

Na lata, na boa, sem qualquer evidência. Experimente você fazer a mesma coisa com Moraes. Que tipo de ministro da Justiça é esse?

Quem tem licença para matar no Brasil é Alexandre de Moraes.