sábado, 30 de abril de 2011

O Sábado de Sabato


.
.
.
.Sabato, ladeado por Saramago e Elvira.
.


Sábato seria homenageado amanhã, domingo,  na Feira do Livro pelo Instituto Cultural da província de Buenos Aires, mas faleceu hoje, sábado, com quadro agudo de pneumonia.
.
Segundo o jornal argentino "Clarín", sua colaboradora Elvira disse que o escritor estava sofrendo havia algum tempo, "mas tinha momentos bons, principalmente quando escutava música". Romancista, ensaísta e artista plástico, Sabato é autor de obras como "O Túnel" (1948) e "Sobre Heróis e Tumbas" (1961).
.
A pedido do então presidente argentino Raúl Alfonsín, dirigiu entre 1983 e 1984 a Comissão Nacional sobre o Desaparecimento de Pessoas, cuja investigação, publicada no relatório "Nunca Mais", considerado o estopim para o julgamento de militares por crimes cometidos durante o regime militar argentino (1976-1983). O jornal "Clarín" o definiu como "um dos rostos emblemáticos do regresso democrático" no país e um dos "ícones mais populares" da literatura argentina.

O escritor, que nasceu na cidade de Rojas em 24 de junho de 1911, obteve o título de doutor em Física em 1938 pela Universidade Nacional de La Plata, mas deixou a carreira científica nos anos 40 para se voltar à literatura com a publicação da compilação de ensaios "Alguém e o Universo".
O reconhecimento internacional veio em 1961 com "Sobre Heróis e Tumbas", e a consagração definitiva ocorreu em 1974 com "Abadon, o Exterminador", que completam a trilogia iniciada com "O Túnel" (1948), adaptada ao cinema em 2006. Após ser agraciado com o Prêmio Cervantes em 1984, foi proposto como candidato ao Nobel de Literatura de 2007.
.
Segundo contou seu filho Mario Sábato, autor de um documentário sobre a vida de seu pai, o escritor já não saía de casa, estava sob cuidado de enfermeiras e quase não falava, embora ocasionalmente rompesse seu silêncio para ter algum breve diálogo com a família.
.
.
.
.
.
.


.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

A Agonia da Oposição e o Abraço dos Afogados

.
.
.
.
.
Aécio, ainda com cara de ressaca, leva bronca do "Farol de Alexandria", enquanto Serra trama.
.


Tema dominante nas colunas políticas das últimas semanas, a agonia em praça pública dos partidos de oposição não mereceu ainda qualquer manifestação do seu maior líder até o final do ano passado, o ex-candidato presidencial José Serra, que sumiu do cenário político.

Na medida em que PSDB e DEM vão desmilinguindo a cada dia, e engordando o PSD de Gilberto Kassab, mais estranho fica o silêncio do ex-governador paulista, que abriu duas frentes de combate nos bastidores e sumiu.

No plano federal, os serristas disputam o comando do partido com o senador mineiro Aécio Neves, que se apresenta como candidato natural dos tucanos nas eleições de 2014. Em São Paulo, o confronto se dá entre a turma de José Serra e a turma de Geraldo Alckmin, com os dois lados sofrendo baixas. Na semana passada, perderam metade da bancada de vereadores paulistanos.

Nesta segunda-feira, foi a vez de o serrista Walter Feldman, secretário da prefeitura paulistana e um dos fundadores do partido, pedir para sair do PSDB. Desde o dia 18 de março, quando foi anunciada oficialmente a criação do PSD de Kassab, uma cria de Serra recrutada no malufismo para ser seu vice e depois prefeito de São Paulo, a oposição passa por um desmanche federal.

O que quer Serra, afinal? Qual o seu papel na criação do PSD, que pode ser tudo, menos um partido de oposição? O que ele acha da fusão do PSDB com o DEM, já chamado de o abraço dos afogados? O que fazer com o PPS do seu aliado Roberto Freire, que foi à Justiça para salvar alguns (poucos) parlamentares em suas fileiras?

.
.
Afundam todos...
.

Ninguém sabe. A situação chegou a tal ponto que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi obrigado a sair dos seus cuidados para tentar salvar alguns aliados do seu lado.

Primeiro, FHC lançou um manifesto, “O papel da oposição”, que deveria servir de bússola para os náufragos, mas no fim só aumentou a confusão, causando divergências entre os líderes tucanos, que não entenderam direito a opção dele pela nova classe média, deixando o “povão” para o PT.

Agora, o ex-presidente está sendo chamado para servir de bombeiro até em Santa Catarina, onde o governador Raimundo Colombo, o único do aliado DEM, também está ameaçando sair do partido, abrindo a porteira para a família Bornhausen.

O estado de saúde da oposição brasileira é tão grave que deve estar preocupando até mesmo o governo federal e os que verdadeiramente defendem a democracia no país. Não é bom para ninguém que sucumbam as lideranças dos partidos de oposição, deixando o campo livre para setores radicalizados da mídia, do empresariado e das igrejas.

Nestas horas, ainda mais com a delicada situação econômica do momento, costumam aparecer malucos salvadores da pátria, o que é sempre um perigo. Para se ter uma ideia, a bancada da oposição caiu para apenas 96 parlamentares na Câmara Federal, num total de 513 deputados, o menor número em 15 anos.

De outro lado, a base do governo cresceu tanto que a ministra Ideli Salvatti, da Pesca, se permite até fazer piada: “Com uma base assim, é melhor passar protetor…”.

Aguarda-se alguma palavra de José Serra, ainda que seja pelo Twitter.
.
.
.
Texto do “Balaio do Kotscho”
.
.
.
.
.
.

domingo, 24 de abril de 2011

Dilma Vai Transformar o Serviço Público em "Empresa Modelo"

.
.
.
.
.
O presidente do Grupo Gerdau, Jorge Johannpeter, fala á imprensa após seu primeiro encontro com a Presidenta Dilma Roussef.

.


O empresário Jorge Gerdau Johannpeter, que atua no ramo metalúrgico, terá cargo no governo Dilma.
.
. 
 Ele aceitou convite da presidente Dilma Rousseff para assumir o cargo de coordenador da Câmara de Gestão e Competitividade a ser criada nos próximos dias pela presidenta.
.
A câmara será formada com a participação dos ministros Antônio Palocci (Casa Civil), Guido Mantega (Fazenda), Miriam Belchior (Planejamento) e Fernando Pimentel (Desenvolvimento), além de quatro representantes da sociedade civil, e possibilitará ao governo aproveitar e estender a outros estados a experiência adquirida pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC).
.
Criado em 2001, o MBC é uma organização da sociedade civil de interesse público (Oscip) que visa a contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população brasileira, por meio do aumento da competitividade do país. Para isso, a entidade disponibiliza conceitos e ferramentas, além de mobilizar lideranças públicas e privadas em municípios e estados, para disseminarem conhecimentos relacionados à questão da competitividade, enquanto método de desenvolvimento do país.
.
“A base é montar um tipo de mecanismo que já existe no PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], e estender isso a toda uma estratégia de governo. No fundo, [o objetivo] é criar mecanismos de aprimoramento de gestão dentro de obras de educação, saúde, enfim, em todas as áreas”, acrescentou, como já vem sendo adotado em dez Estados pelas empresas de Gerdau e pelo Instituto Nacional de Desenvolvimento Gerencial (INDG), a maior organização de consultoria em gestão empresarial do Brasil, com atuação em todo o mundo.
 .
.
.
.
O INDG atua na identificação e solução de problemas, por meio de um método integrado a um sistema de gestão, totalmente focado em resultados no curto, médio e longo prazo. O método utilizado pelo INDG é o PDCA, mundialmente conhecido e amplamente aplicado.
.
A Câmara de Gestão e Competitividade trabalhará para multiplicar o conhecimento nos Ministérios e demais órgãos do Governo Federal, que aprenderão a alcançar as metas estabelecidas com a ajuda da sua própria equipe. É o método aprender fazendo.
.
A CGC somente considerará o projeto finalizado quando as metas forem atingidas ou superadas, isso, obviamente, quando os motivos do não alcance da meta forem de natureza metodológica. E o que é mais desafiador: quando  o Ministério ou Órgão aprender a conduzir sozinho sua nova gestão.
.
Promove-se, com esse novo modelo de gerenciamento da máquina pública, o envolvimento de todos os servidores públicos, criando um ambiente de trabalho alegre e motivador. A metodologia otimizará a capacidade de buscar a melhoria contínua dos seus resultados.
.
“O mundo de hoje exige aprimoramento de tudo todos os dias.”, concluiu Johannpeter.
.
.
.
.
.
.
.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Chico César Bota Prá Quebrar: "Forró de Plástico" Aqui na Paraíba, NÃO!!!...

.
.
.
.
.
.
 A coragem de Chico fará muito bem à Paraíba e ao Brasil.
.
.

O cantor, compositor,  intelectual, jornalista e secretário de Cultura da Paraíba, Chico César, esteve entre os trending topics do Twitter durante esta terça-feira. Ele protagonizou uma polêmica em relação à festa junina do estado, chamada o Maior São João do Mundo, que acontece em Campina Grande.

Em entrevista recente, o secretário declarou que o governo estadual não iria apoiar a inclusão de “bandas de forró de plástico” na programação, referindo-se a grupos de forró eletrônico. Decisão acertadíssima de Chico, no sentido de resgatar as origens desse povo maravilhoso, mas que, por desgraça do destino, se viu obrigado a receber ordens de Cunhas Lima, Burytis, Maranhãos, Carneiros, Bragas, e mais um cem nomes de aproveitadores.
.
Nesses governos, o que importava era o preço das contratações e quanto sobraria pras suas próximas campanhas eleitorais. Bandas de “forró pé de serra” custa pouco, e quando se racha, não sobra quase nada... Já as de “forró de plástico” não!... São caríssimas. Mas o povo adora, porque é o que ouve o dia todo nas rádios deles mesmos.
.
 Só o Estado pode impedir que aproveitadores joguem no lixo da memória, nomes como o de Sivuca e Zabé da Loca.
.
Diante de tantos opositores a uma medida tão acertada, que repercutiu positivamente em todo o Brasil, o paraibano Chico César, através da Secretaria de Cultura soltou nota, esclarecendo:
.
 

Tem sido distorcida a minha declaração, como secretário de Cultura, de que o Estado não vai contratar nem pagar grupos musicais e artistas cujos estilos nada têm a ver com a herança da tradição musical nordestina, cujo ápice se dá no período junino. Não vai mesmo. Mas nunca nos passou pela cabeça proibir ou sugerir a proibição de quaisquer tendências. Quem quiser tê-los que os pague, apenas isso. O Estado encontra-se carente de recursos e já terá inegáveis dificuldades para pactuar inclusive com aqueles municípios que buscarem o resgate desta tradição.

São muitas as distorções, admitamos. Não faz muito tempo vaiaram Sivuca em festa junina paga com dinheiro público aqui na Paraíba porque ele, já velhinho, tocava sanfona em vez de teclado e não tinha moças seminuas dançando em seu palco. Vaias também recebeu Geraldo Azevedo porque ele cantava Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro em festa junina financiada pelo governo aqui na Paraíba, enquanto o público, esperando a dupla sertaneja, gritava ‘Zezé cadê você? Eu vim aqui só pra te ver’.

Intolerância é excluir da programação do rádio paraibano (concessão pública) durante o ano inteiro, artistas como Parrá, Baixinho do Pandeiro, Cátia de França, Zabé da Loca, Escurinho, Beto Brito, Dejinha de Monteiro, Livardo Alves, Pinto do Acordeon, Mestre Fuba, Vital Farias, Biliu de Campina, Fuba de Taperoá, Sandra Belê e excluí-los de novo na hora em que se deve celebrar a música regional e a cultura popular.

O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB) voltou a reforçar, hoje, que concorda com a opinião do secretário de Cultura do seu governo.

.
Salve Ricardo, Salve Chico, "Salve" a Paraíba.
.
.
.
.
.
.
.

Vamos Enquadrar a Globo e Cia. Ltda.

.
.
.
.
.
.


Luiza Erundina: Liberdade de Expressão
.
Por Luiza Erundina*
.
.
"A Câmara dos Deputados lança, hoje, a “Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular”. É uma iniciativa de parlamentares, em parceria com entidades da sociedade civil, e visa a promover ações que assegurem o direito à liberdade de expressão e o direito à comunicação.
.
 
.
O direito à liberdade de expressão, previsto no artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e nos artigos 5º e 220 da Constituição Federal, enfrenta hoje dois tipos de obstáculos que demonstram a necessidade e justificam a criação desta Frente.
.
O primeiro está em ações de órgãos do poder público e de entes privados que cerceiam o exercício dessa liberdade pelos cidadãos e cidadãs brasileiros. É preciso, pois, que se criem mecanismos permanentes para denunciar e combater tais ações.

.
O segundo obstáculo diz respeito à falta de regulação do nosso sistema de comunicação e de políticas públicas que promovam e garantam a liberdade de expressão e o direito à comunicação.
.
Atualmente, as condições para o exercício dessa liberdade e o respeito a esse direito são muito desiguais, visto que os canais de mídia, elementos indispensáveis à efetivação desse direito, estão concentrados nas mãos de poucos grupos, cuja prática impõe limites à liberdade de expressão em nosso país, além de ser fortemente marcada pela prevalência de interesses privados em detrimento do interesse público.
.
 
.
Assim, não basta denunciar e combater ações que atentem contra a liberdade de expressão; é preciso também propiciar meios para que todos os cidadãos e cidadãs brasileiros tenham plenas condições de exercê-la.
.
Enquanto houver limitações ou dificuldades de natureza econômica, cultural, social, técnica e política para o exercício desse direito, é dever do Estado desenvolver ações no sentido de garantir que o maior número possível de cidadãos possa produzir, disseminar e acessar informações e cultura.
.
Ademais, a promoção dos direitos à liberdade de expressão e à comunicação é condição para o pleno exercício da democracia em qualquer país. Sendo os meios de comunicação os principais instrumentos de circulação de ideias e valores, espaço de consumo de informação e cultura pelos cidadãos (ãs), devem então refletir a pluralidade e a diversidade da sociedade, pré-requisito da verdadeira democracia.
.
 
.
A referida Frente Parlamentar conta com a adesão de significativo número de parlamentares das diferentes bancadas partidárias da Câmara dos Deputados, além de uma quantidade expressiva de entidades sociais.
.
Propõe-se a atuar com vistas à democratização dos meios de comunicação, observando os princípios de complementaridade, indivisibilidade, interdependência e não hierarquização dos direitos humanos.
.
Enfim, constituir-se-á como um instrumento do poder legislativo e da sociedade brasileira no sentido de garantir e ampliar os direitos à liberdade de expressão e à comunicação e para o fortalecimento da democracia.
.
.
*Deputada federal do PSB por São Paulo
.
.
.
.
.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

DILMA Entre as 100 Personalidades Mais Influentes do Mundo em 2011

.
.
.
.
.

.
.
.
Nova York, 21 abr (EFE).- (Agora há pouco)  A presidente Dilma Rousseff foi escolhida uma das 100 pessoas mais influentes de 2011 pela revista americana "Time" em uma lista que conta com presença cada vez menor de políticos, e mais recheada de celebridades e empreendedores, sobretudo da área de tecnologia.

Entre as personalidades da lista estão a chanceler da Alemanha, Angela Merkel; o fundador do site Wikileaks, Julian Assange; o presidente e a primeira-dama dos Estados Unidos, Barack e Michelle Obama, o cantor Justin Bieber e o jogador argentino Lionel Messi. O príncipe William e sua noiva, Kate Middleton, também foram eleitos pela "Time" entre as 100 pessoas mais influentes de 2011.

No ano passado, um dos destaques da lista foi o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que já havia sido incluído nesta relação em 2004.

O texto de apresentação de Dilma publicado no site da "Time" foi escrito pela ex-presidente do Chile e diretora-executiva da agência da ONU para a Mulher, Michelle Bachelet.

"Não é fácil ser a primeira mulher a governar o seu país. Além da honra que ela significa, ainda existem preconceitos e estereótipos a enfrentar", disse Bachelet em seu texto.

"Também não é fácil governar uma nação emergente: quando sociedades começam a ver a luz do desenvolvimento no fim do túnel, isso provoca um surto de otimismo e entusiasmo, mas os desafios se tornam mais complexos, e os cidadãos, mais exigentes. É ainda mais difícil governar um país grande e globalmente importante como o Brasil", acrescentou.
.
.
.
.
.
.
.

Barack Obama – Um Negro Invade a África

.
.
.
.
.
 Não! Vocês não podem!...
.
.
.

O ataque euro-americano à Líbia não tem nada a ver com a proteção de ninguém; só os irremediavelmente ingênuos acreditam nesse disparate. É a reação do Ocidente aos motins populares em regiões estratégicas, ricas em recursos e o início de atividades hostis contra o novo rival imperialista, a China.
.
Com seu lugar de destaque já assegurado na história por ser o primeiro presidente negro dos EUA, Barack Obama capricha ainda mais e transforma-se também no primeiro presidente negro da América a invadir a África.
.
O ataque à Líbia é chefiado pelo Comando África dos EUA (US Africa Command), instituído em 2007 para assegurar os lucrativos recursos naturais do continente, roubando-os às populações empobrecidas e à influência comercial da China, em crescimento rápido na Região.
.
 A Líbia, juntamente com Angola e a Nigéria, é a principal fonte de petróleo da China.
.
Enquanto os aviões americanos, britânicos e franceses vão incinerando líbios 'maus' e 'bons', soldados e, na maioria civis, assiste-se à evacuação de 30 mil trabalhadores chineses, provavelmente de forma permanente.
.
As afirmações de entidades ocidentais e dos meios de comunicação de que 'um coronel Kadafi criminoso e enlouquecido' está a planejar o 'genocídio' contra o seu próprio povo, continuam a carecer de provas. Isto faz recordar as afirmações fraudulentas que exigiram a 'intervenção humanitária' no Kosovo, o desmembramento final da Iugoslávia e a instalação da maior base militar americana na Europa, a fraude documental para invadir e arrasar o Iraque, a encenação com título de “Ajuda Humanitária” ao desembarcar de helicópteros de combate seus soldados no gramado da palácio presidencial do Haiti, após imenso terremoto.
.
Os pormenores também são conhecidos. Segundo se diz, os 'rebeldes pró-democracia' líbios são comandados pelo coronel Khalifa Haftar que, segundo um estudo da Fundação Jamestown americana, montou o Exército Nacional Líbio em 1988 "com forte apoio da CIA". Nos últimos 20 anos, o coronel Haftar tem vivido não muito longe de Langley, Virginia, o lar da CIA, que também lhe fornece um campo de treino. Os mujaedines, que deram origem à al-Qaida, e o Congresso Nacional Iraquiano, que forjaram as mentiras de Bush/Blair sobre o Iraque, foram patrocinados por Langley, da mesma forma aceita por toda a gente.
.
Os outros líderes 'rebeldes' incluem Mustafa Abdul Jalil, ministro da Justiça de Kadafi até fevereiro, e o general Abdel-Fatá Iunes, que chefiou o ministério do Interior de Kadafi: ambos com estrondosas reputações de repressão brutal de dissidentes. Há uma guerra civil e tribal na Líbia, que inclui a rejeição popular contra a atuação de Kadafi em relação aos direitos humanos. Mas o que é intolerável para o ocidente não é a natureza do seu regime, é a independência da Líbia, numa região de vassalos; e esta hostilidade pouco mudou em 42 anos, desde que Kadafi derrubou o rei feudal Idris, um dos tiranos mais odiosos apoiados pelo ocidente.
.
Kadafi, com os seus modos beduínos, hiperbólicos e bizarros, há muito que personaliza o 'lobo feroz' ideal (Daily Mirror), exigindo agora que os ‘heróicos’ pilotos americanos, franceses e britânicos bombardeiem áreas urbanas em Tripoli, incluindo uma maternidade e um centro de cardiologia. O último bombardeio americano em 1986 conseguiu matar a sua filha adotiva.

O que os americanos, os britânicos e os franceses querem arrancar a qualquer custo é o oposto da libertação de um povo. Ao sabotar os esforços dos genuínos democratas e nacionalistas da Líbia para libertarem o seu país de um ditador e dos corrompidos pelas exigências estrangeiras, o som e a fúria de Washington, de Londres e de Paris conseguiram turvar a memória dos dias de esperança de Janeiro em Tunis e no Cairo e desviar muitos dos que tinham criado esperanças da tarefa de assegurar que as suas conquistas não fossem roubadas furtivamente.
.
A 23 de março, as forças militares egípcias, apoiadas pelos EUA, emitiram um decreto proibindo todas as greves e manifestações. Isto praticamente não foi notícia no ocidente. E agora, com Kadafi identificado com o demônio, Israel, o verdadeiro câncer, pode continuar a sua espoliação de terras e expulsões. O Facebook, sob pressão sionista, removeu uma página apelando a um levantamento em grande escala na Palestina – uma 'Terceira Intifada' – a 15 de maio.

Nada disto nos deve surpreender. A história exibe o tipo de maquinação revelado por dois diplomatas seniores nas Nações Unidas, que falaram ao Asia Times. Quando pretenderam saber porque é que as Nações Unidas nunca ordenaram uma missão de avaliação dos fatos à Líbia, em vez de um ataque, disseram-lhes que já muita coisa tinha sido feita entre a Casa Branca e a Arábia Saudita. Uma 'coligação' dos EUA iria 'eliminar' o recalcitrante Kadafi se os sauditas abafassem o levantamento popular no Barein. Este último já foi concretizado e o sangrento rei do Barein vai ser um dos convidados às bodas reais em Londres.

A personificação desta reação é David Cameron (primeiro-ministro do Reino Unido, líder do Partido Conservador ), cuja única verdadeira tarefa tem sido como homem de relações públicas de Michael Green, o oportunista da indústria da televisão.

Num dos seus momentos mais exploradores, o império britânico produziu Davids Camerons  (David Cameron: primeiro-ministro do Reino Unido, líder do Partido Conservador ) aos montes. Contrariamente a muitos dos 'civilizadores' vitorianos, os atuais guerreiros sedentários de Westminster – através de William Hague (político britânico conservador; secretário dos Estrangeiros e primeiro secretário de David Cameron ),  Liam Fox (político do Partido Conservador britânico; secretário da Defesa do Reino Unido)  e do traidor Nick Clegg (Líder do Partido Liberal Democrata; vice-primeiro-ministro do Reino Unido, na coligação com o Partido Conservador e presidente do Conselho ) – nunca foram atingidos pelo sofrimento e banho de sangue que, à custa das diferenças culturais, são as consequências dos seus discursos e ações. Com o seu ar mais ou menos informal, sempre altivos, são uns covardes no estrangeiro, visto que ficam sempre em casa. As suas prendas são a guerra e o racismo e a destruição da democracia social duramente conquistada do Reino Unido. Lembrem-se disso quando forem para a rua às centenas de milhares, conforme é vosso dever.
.
.
.
Parafraseando John Pilger
.
.
.
.
.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Álvaro Dias Leva Puxão de Orelhas da Senadora Gleisi Hoffman

.
.
.
.
.
 Brincadeirinha de Tucano é treinar bicadas.
.

Após fazer acusações ao ex presidente Lula da tribuna do senado na seção de ontem, o perturbado senador paranaense Álvaro Dias que, juntamente com o que resta da oposição, tenta desmanchar a imagem deixada no país inteiro pelo metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva.
.
No meio da fala foi aparteado pela Senadora Gleisi Horffman: “Tudo o que o senhor fez aqui, desde o início da sua fala, foi um juízo de valores. O senhor começou acusando o presidente Lula, fazendo ilações sobre uma matéria que disse que alguém disse que outro disse. Não tem nenhuma prova do material que o senhor leu – alegou Gleisi.
.
Álvaro Dias, envergonhado, negou que tenha feito juízo de valor e acusou a senadora de tentar diminuir quem faz oposição e de faltar com o respeito em seu aparte.
.
Realmente, resta muito pouco para essa oposição que instalou neste país o que se convencionou chamar de mensalão, e deu os motes da campanha difamatória e imunda de José Serra.
.
.
.
.
.
.
.

terça-feira, 19 de abril de 2011

A Coragem e o Amor de Toninho Cerezo

.
.
.
.
.
.
.
Trago lembranças inesquecíveis dos dois anos que morei em Belo Horizonte.
A agência do BNCC ficava na Olegário Maciel, no mesmo prédio onde morava Reinaldo, atacante do Clube Atlético Mineiro e da Seleção Brasileira. O cunhado do “Rei” era estagiário na agência e logo fiquei amigo de Reinaldo, e sua esposa à época Jeanine Badaró, com direito a visitá-los em seu apartamento a levar os filhos para assistir também os treinos do Galo.
.
Ainda guardo muitas saudades dos colegas do BNCC de Minas, da pequena cidade de Luz, de Reinaldo, a quem acompanhei daqui de longe na sua luta contra as drogas e continuo fã incondicional.
.
Hoje, mais uma vez minha paixão por Minas Gerais aflora ao tomar conhecimento deste texto de Toninho Cerezo, contemporâneo de Reinaldo no Atlético Mineiro, sobre seu filho que nasceu homem e transformou-se, por vontade própria, numa linda mulher.
.
Toninho Cerezo foi técnico de futebol aqui em Recife do Sport, e a torcida do meu time alvi rubro não poupou ofensas ao treinador adversário por conta do seu filho, que passou a ser manchete dos jornais, atitudes essas repudiadas por mim.
.
Deixo aqui minha solidariedade a Toninho Cerezo, como homem e como pai.
.
.

Dois filhos em um
.
Toninho Cerezo
.
.

"Qual pai um dia não pensou desta maneira? Como seria bom se existisse um manual completo, que ensinasse e orientasse como ser pai em todas as etapas da vida dos filhos!
.
Por mais que existam livros, manuais, conselhos bem-intencionados, a grande verdade é que exercer a paternidade vai muito além de conselhos e teorias. Todos sabem que cabe á paternidade uma parcela da responsabilidade de cuidar, educar, proteger e preparar os filhos para o ingresso na sociedade.
.
Mas a alma humana é muito complexa, e estamos bem longe de saber tudo o que esse ser mutante chamado Homem é capaz de fazer, querer e ser...
.
Meu menino, minha menina pra sempre, eternamente, os dois serão meus.
.
 
.
Ainda no ventre, Leandro foi um filho esperado e amado. Na sua infância, seu sorriso doce e os cabelos cacheados não me indicavam qualquer tendência, era apenas uma criança, era apenas meu filho.
.
Com o passar dos anos e a chegada da adolescência, conheci, na intimidade e nos momentos que passamos juntos, seu jeito diferente - a clara ausência de predileção por brincadeiras masculinas. Percebi interesse por assuntos ligados à arte e ao universo feminino.
.
Por conta da minha formação familiar ter sido baseada em respeito, cresci em um ambiente livre e pude escolher jogar futebol e viver apenas com meus dons no campo. Como não tive o tão sonhado manual, "Como criar filhos", criei os meus igualmente livres também para as suas escolhas, sem cobranças nem imposições.
.
Apesar de notar as diferenças, percebi também que nada poderia fazer, e tudo o que poderia dar a ela/ele era o meu amor incondicional, a segurança, o conforto e a certeza de que, em qualquer circunstância, por mais que longe, eu estaria sempre ao seu lado.
.
Em alguma entrevista, Lea disse que a única coisa que gostaria de ter aprendido no futebol eram as embaixadinhas (veja só!), e que até tentou aprender, mas não foi muito bem-sucedida."
.
.
.
.
.
.
.