sábado, 16 de agosto de 2014

A Vida é Um Sopro - Ainda Sobre EDUARDO CAMPOS








O trágico falecimento do ex-governador de Pernambuco, candidato à presidência da República, Eduardo Campos, do PSB, insere-se na superstição consagrada no imaginário do povo brasileiro sobre o caráter nefasto do mês de Agosto na política nacional.


Em meio a suicídios, renúncias, tentativas de golpes de Estado, mortes, Agosto é um mês que desde há muito tempo na cultura do País a todos sobressalta, inclusive aqueles que não acreditam em destino ou determinismo histórico, venha de onde vier.

Mas a verdade é que o acidente aéreo fatal que vitimou Eduardo Campos, quatro de seus assessores e dois tripulantes, em Santos, impactou a sociedade brasileira como há muito tempo não se via, porque tratava-se de um político de carreira promissora, jovem, com 49 anos, governador exitoso em seu Estado, deixou o mandato com elevados índices de aprovação popular.

Como a política é o fermento das sociedades, para o bem ou para o mal, será óbvia a discussão sobre a sucessão da sua candidatura no PSB, a herança eleitoral, as consequências do seu precoce desaparecimento.

Em um quadro político em que forças retrógadas, poderosas conspiram diariamente contra os interesses da nação, a democracia, o seu legado será motivo de acirrada disputa, tentativas de manipulação.

Sinto, comovido, a morte trágica do jovem Eduardo Campos, lembrando a frase do nosso grande Oscar Niemeyer para o qual a vida é um sopro. Façamos bom uso dela para o bem do Brasil.





O “aecioporto” e o Incêndio em Cláudio








por Altamiro Borges, em seu blog

O Portal G1, da poderosa Rede Globo, deu uma notinha minúscula, quase imperceptível, nesta quarta-feira: “Um incêndio foi registrado em um lote vago na noite de segunda-feira (11) e atingiu um galpão da Prefeitura de Cláudio, que fica ao lado. De acordo com o Corpo de Bombeiros, as chamas ficaram confinadas em um cômodo de aproximadamente 9 m² no segundo andar. As chamas destruíram a sala onde ficavam arquivos, computadores, materiais de escritório e tecidos. Apesar disso, ninguém ficou ferido”.





O curioso, para não dizer sinistro, é que a pequena cidade do interior de Minas Gerais ficou famosa nas últimas semanas pela descoberta de que sedia um aeroporto na fazenda do tio de Aécio Neves, construído com R$ 14 milhões dos cofres públicos quando este era governador do estado. A Folha tucana foi a primeira a revelar o escândalo – o que gerou suspeita de “fogo amigo” no ninho. Já o cambaleante presidenciável do PSDB se enrolou todo para explicar o episódio. Dizem até que ficou irritado com uma pergunta de Willian Bonner, no Jornal Nacional, sobre o caso!

Agora, um incêndio destrói o galpão “onde ficavam arquivos, computadores” – segundo o insuspeito G1. Como já alertou Miguel do Rosário, do blog O Cafezinho, esta história é muito estranha. “Cláudio é a cidade do aecioporto. Documentos sobre os voos de Aécio, entre outros, ficavam guardados na prefeitura… Recentemente, algumas pontas estavam sendo ligadas. Um ponto de refino de cocaína foi estourado pela polícia no fim do ano passado. O ‘helicoca’ pousou muito perto de lá, antes de ir ao Espírito Santo. O incêndio veio bem a calhar… Claro, foi só coincidência”.








Após o primeiro impacto das denúncias sobre o “aecioporto”, a mídia tucana simplesmente abafou o caso. Veja inventou factoides sobre a CPI da Petrobras e O Globo especulou sobre adulterações no Wikipédia. Como o helicóptero da aecista família Perrella, apreendido pela polícia com 450 quilos de cocaína, o escândalo virou pó. Sumiu dos jornalões e das telinhas da tevê. As corporações midiáticas não acionaram os seus “jornalistas investigativos” para apurar o caso. Nem o primo de Aécio Neves, denunciado por proteger traficantes, foi procurado. Agora, o incêndio. Mistério!