domingo, 30 de outubro de 2016

MORO AGUARDA ANISTIA A CAIXA DOIS PARA INICIAR AÇÃO CONTRA SERRA



Vergonha em dose dupla


De Bernardo Mello Franco, na Folha:

Enquanto a torcida se distrai com as eleições municipais, os deputados articulam uma nova jogada na Câmara. O plano é driblar o Ministério Público e aprovar uma anistia geral ao caixa dois. Se der certo, será um gol de placa do sistema político ameaçado pela Lava Jato.

A ideia é ousada: usar um pacote moralizador para legalizar o financiamento ilegal de campanhas. Os parlamentares prometem aprovar a criminalização do caixa dois, uma das chamadas dez medidas contra a corrupção. Parece boa notícia, mas há um detalhe. Ao proibir o trambique no futuro, a Câmara quer perdoar quem o praticou no passado.

(…)

Em entrevista a Mario Sergio Conti, na Globo News, o deputado indicou que apoia o perdão ao financiamento irregular das eleições passadas. “Nós temos que dar um corte e dizer que daqui para a frente está criminalizado”, disse, apesar de a lei já prever punições ao caixa dois.

Questionado se estava defendendo uma anistia a criminosos, Maia abriu o jogo: “Alguma solução vai ter que ser dada. Eu acho que anistia é uma palavra forte”.

De falta de transparência, não poderemos acusá-lo.



DALLAGNOL CONFESSA PARTIDARISMO DA LAVA-JATO, OU SEJA, COMETERAM CRIME DE LESA PÁTRIA



DALLAGNOL ENTREGA A SENHA: DAQUI PRA FRENTE VAMOS TER QUE ATINGIR A TODOS. MAS SÓ DAQUI PRA FRENTE.

O texto abaixo é de Paulo Nogueira no DCM

Escondidinha, uma nota na primeira página da Folha de hoje traz o que se pode definir como uma confissão aterradora.

A nota chama para um artigo de Deltan Dallagnol e outro procurador, e o título é este: “Lata Jato avança ao atingir todos sem distinção”.

Vou repetir, tamanha a importância da frase:

“Lata Jato avança ao atingir todos sem distinção”.

Quer dizer: agora, e somente agora, a Lava Jato atinge — alegadamente — a todos?

Ao longo de todo este tempo Moro e seus comandados trataram de destruir o PT. Num jogo combinado com a mídia, a começar pela Globo, armaram operações cinematográficas quando se tratava de prender pessoas de alguma forma vinculadas a Lula.

Como esquecer as cenas da condução coercitiva de Lula para um depoimento para o qual ele sequer fora convocado?

E o vazamento ilegal das falas entre Lula e Dilma?

E tantas, tantas, tantas outras coisas que colaboraram decisivamente para a derrubada de Dilma e que, pelo script previsto, levariam a tirar Lula do caminho em 2018?

Uma democracia foi destruída. 54 milhões de votos foram incinerados para que a plutocracia chegasse ao lugar que não consegue pelas urnas.

E agora somos obrigados a engolir que a Lava Jato é, aspas e gargalhadas, “apartidária”? Isenta?
Coloquemos assim: a Lava Jato tem a isenção que está fixada na missão do Jornal Nacional. Nela, o JN diz que noticia os fatos do dia com “isenção”.

A Lava Jato foi, desde o início, tão isenta quanto o Jornal Nacional.

As coisas saíram do controle de seus mentores, e da própria mídia, quando delatores graúdos citaram pessoas, de novo aspas e gargalhadas, “acima de qualquer suspeita”.

Veio o caos, para os administradores da Lava Jato e para a imprensa. Nenhum entre eles poderia esperar que da Odebrech saísse a informação preciosa de que Serra recebera 23 milhões de dólares num banco suíço para a campanha de 2010.

E atenção: em dinheiro de 2010. Hoje, seriam 34 milhões.

A confusão entre as corporações jornalísticas ficou estampada notavlemente nisso: a Folha deu manchete e o JN ignorou.

O fato é que mudaram as circunstâncias: Moro já não é o mesmo. Caminha para ser o juiz de primeira instância de origem. Hoje é menor do que foi ontem, e amanhã será menor do que é hoje.

E a ideia disparatada de Dallagnol de que a Lava Jato “avança ao atingir a todos sem distinção” merece que evoquemos Wellington.
Só acredita nela quem acredita em tudo. A não ser que a tomemos como uma confissão de que ela até aqui pegou apenas um lado.

REGINA MARCONDES FERRAZ VISITA NA CADEIA O FILHO MARIANO MARCONDES FERRAZ



A mãe, o filho e a cadeia.


Regina Marcondes Ferraz é uma figura de ponta de uma certa aristocracia decadente carioca.

Era socialite antes de a palavra existir. Nos anos 70 e 80, saía dia sim, dia não na coluna de Zózimo Barroso do Amaral no Jornal do Brasil, a mais disputada do país naqueles anos.

Casou, em primeiras núpcias, com Baby Guinle, sobrinho de Jorginho Guinle, cuja família era dona do Copacabana Palace (diga “do Copa”).

Cinco anos depois, conheceu e se apaixonou por Paulo Fernando Marcondes Ferraz, diretor-executivo da Associação de Comércio Exterior do Brasil, presidente da Câmara de Comércio Indústria e Turismo Brasil-Grécia, entre outros títulos.

Ele tinha dois filhos de sua união com Silvia Amélia Chagas, a baronesa de Waldner, suposta musa de “Detalhes” do Roberto, que hoje reside em Paris: Mariano e Maria Pia.

Regina viveu com Paulo Fernando por 14 anos, até desposar o empresário Paulo Gama Filho. Continuou, porém, muito ligada aos enteados Mariano e Maria Pia (“um presente de Deus em minha vida”, diz Regina sobre MP). Tampouco mudou de sobrenome ou de endereço: o tradicional Edifício Chopin, na Avenida Atlântica.

Uma matéria previsivelmente sabuja na revista JP, de Joyce Pascowitch, informava que “seu antídoto contra a ação tóxica do passar de anos é rir o tempo todo, sem se importar com a relevância do assunto”.

O sobrenome Marcondes Ferraz foi parar na imprensa durante essa semana com a prisão de Mariano no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Ele foi levado para Curitiba.

A preventiva foi pedida por Sérgio Moro. Mariano se preparava para embarcar para Londres, onde ia encontrar a mulher, a atriz Luiza Valdetaro.

Executivo do ramo do petróleo no grupo Trafigura, colecionador de arte, há “fortes indícios” de que praticou crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, de acordo com as investigações da Lava Jato.

Entre 2011 e 2013, teria pagado mais de 800 mil reais em propina ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. A PF diz que ele “modificou seu padrão de viagens ao Brasil”, o que “é indicativo de que receava eventual prisão e responsabilização”.

Regina, nos últimos anos, tornou-se uma ferrenha militante anti corrupção e pró-impeachment. Nas redes sociais, brindou os amigos do society com as montagens mais toscas da praça.

Uma das fotos de seu Instagram era de uma senhora parecida com Dilma, sentada melancolicamente em alguma repartição pública, e a seguinte legenda: “Dando entrada no salário desemprego”.

Outra tem a imagem de Lula sob a inscrição “um investigado da PF é ministro de Dilma Rousseff! Isso sim é golpe”. Só não bateu panela porque não sabe onde elas ficam.

A fina, sofisticada Regina se rendeu à coxinhice mais canhestra, sem imaginar, ou fingindo não imaginar, que o pecado morava ao lado.

Ela não se manifestou e nem se manifestará sobre a detenção de Mariano. Bloqueou suas contas nas redes. Festas estão suspensas por ora. As amigas estão preocupadas porque ela já não ri o tempo todo.

Mas de uma coisa Regina Marcondes Ferraz sempre terá certeza: a culpa é do PT.


O ANJO DA MORTALCKMIN E O CARECA QUE SURRUPIOU 23 MILHÕES



Geraldo Alckmin e Zé Serra citados em delação premiada da Odebrecht com codinomes de "Anjo" e "Careca", respectivamente.

Não está fácil a vida dos tucanos. Um dia depois de vir à tona a denúncia de que José Serra recebeu da Odebrecht R$ 23 milhões em propina por meio de uma conta na Suíça, o fogo é disparado contra outro cacique do PSDB que visa a presidência da República.
 
Reportagem da revista Veja neste fim de semana aponta que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também é citado na delação da maior empreiteira do País e confirma que Alckmin é o "Santo" das planilhas da construtora.

A ele, foram pagos R$ 500 mil em duas parcelas, a pedido de um diretor de contrato da Odebrecht que era responsável pelas obras na Linha 4 do Metrô, de acordo com planilha obtida pela Polícia Federal na 35ª fase da Operação Lava Jato.

O documento aponta repasse de propina da Odebrecht a governos de vários partidos e todas as esferas em diversas obras no Brasil, entre elas o aeroporto Santo Dumont, no Rio de Janeiro, que é governado pelo PMDB, e o Rodoanel e o Metrô em São Paulo.

No início de outubro, a revista Carta Capital já havia sugerido que "Santo" fosse o governador. Na ocasião, a revista cobrou a Lava Jato pelo fato de que, desde março, quando o codinome apareceu pela primeira vez, como beneficiário na obra da duplicação da Rodovia Mogi-Dutra, "já foram deflagradas dez fases da Lava Jato e a Polícia Federal ainda não conseguiu identificar qualquer um dos codinomes mencionados".