quarta-feira, 8 de julho de 2015

Picketty e Sachs a Merkel: dê à Grecia o apoio que a Grécia já deu à Alemanha





Jovens comemoram vitória do não. Uma resposta forte em apoio ao governo de esquerda que se opõe à agiotagem européia comandada pela Alemanha.



Enquanto aqui os “urubólogos” do neoliberalismo desenvolvem a tesa que de que “os gregos gastaram à vontade e agora têm de pagar” – um tipo de raciocínio que, aplicado à vida das pessoas, implicaria na legalização da agiotagem e, quem sabe, até na entronização dos agiotas como beneméritos – as vozes mais lúcidas  têm de explicar o óbvio: “O remédio preparado em Berlim e Bruxelas (sede da União Europeia) é pior do que a própria doença”.

Thomas Piketty, Jeffrey Sachs e outros especialistas dizem oque é uma evidência que está diante de todos: a “ajuda” europeia – na verdade uma “catação” de papéis no sistema financeiro europeu, subitamente transformados em “empréstimos” aos gregos – só tornou pior  a situação do país.

Economistas renomados pediram à chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, uma mudança no curso das políticas econômicas aplicadas na Grécia. Em carta aberta publicada em diversos jornais europeus nesta terça-feira (07/07), eles afirmam que as medidas de austeridade impostas ao país “simplesmente não funcionaram”.

Transcrevo trechos da carta, retirados da versão em português daDeutsche Welle, agência de notícias alemã, com uma visão que, aqui, num exercício de masoquismo, uma subelite de analistas econômicos, por sabujice ao sistema financeiro que controla o mundo, é tratada como simples “calote”.

“No momento, o governo grego é obrigado a segurar um revólver contra a cabeça e disparar. Mas a bala não matará somente o futuro da Grécia na Europa. Os efeitos colaterais destruirão a zona do euro como farol da esperança, democracia e bem-estar. As consequências serão sentidas no mundo inteiro”, reforça a carta.

Os economistas lembram ainda que, na década de 1950, na criação da Europa (ou reconstrução no pós-guerra), a Alemanha se beneficiou com o perdão da dívida econômica e agora é a hora de reestruturar a dívida grega, ao repensar a “fracassada política de austeridade”. Para isso, é necessário perdoar parte da dívida grega e, ao mesmo tempo, definir as reformas urgentemente necessárias na Grécia, afirmam os economistas.

“Senhora chanceler federal, nossa mensagem para a senhora é clara: nós pedimos que assuma um papel de liderança vital para a Grécia, para Alemanha e para o mundo. Suas ações desta semana entrarão para os livros de história. Contamos com a senhora para passos corajosos e generosos em prol da Grécia”, solicitam os economistas.
A carta foi publicada nos jornais Tagesspiegel, da Alemanha, Le Monde, da França, e The Guardian, da Inglaterra.



Nenhum comentário:

Postar um comentário