quinta-feira, 26 de novembro de 2015

KAKAI: "BANQUEIRO PASSOU NOITE 'CONSTRANGIDO E PERPLEXO' "... ORA !... FODA-SE!...









Ora essa!... 

(como dizia minha querida mãe diante de alguma tentativa de abuso).

Um bando de poderosos criminosos, mantenedores de suas fortunas ao custo de crimes horripilantes contra povos e nações, se sente constrangido e perplexo com as grades de uma cadeia especial, enquanto milhões de miseráveis entopem celas degradantes, justamente por falta dos recursos que esses bandidos, granfinamente engravatados, desviaram para suas fortunas, "molhando as mãos" dessa classe política nauseante e desmoralizada!... Danem-se... (Bastidores)



247 - O banqueiro André Esteves, dono do BTG Pactual, passou a primeira noite na carceragem da Polícia Federal, após ser preso em um desdobramento da Operação Lava Jato juntamente com o senador Delcídio do Amaral (PT) , "constrangido e perplexo", segundo o advogado de defesa Antonio Carlos de Almeida, conhecido como Kakay. A Justiça determinou a prisão temporária de Esteves, que tem prazo de cinco dias.

"Ele está confiante no pedido de liberdade provisória que fizemos ontem (quarta) à noite ao ministro do Supremo Tribunal (STF) Federal Teori Zavascki. É uma situação constrangedora, principalmente porque a gente entende que a prisão dele é completamente desnecessária. Foram feitos dois pesos e duas medidas. Todas as citações foram consideradas uma bazófia e com razão", disse Kakay.
Segundo o advogado, "o senador Delcídio do Amaral citou indevidamente os nomes dos ministros do Supremo e citou o André sem que tivesse absolutamente nenhum link. André não foi ouvido, nem gravado, não conhecia essas pessoas".
O banqueiro foi preso por uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) sob a acusação de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato, que investiga casos de desvios e corrupção na Petrobras. Ele foi citado por Delcídio em uma gravação como alguém que pagaria o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró para que ele não firmasse acordo de delação premiada com o MPF.




Nenhum comentário:

Postar um comentário