domingo, 16 de outubro de 2016

SERGIO MORO E O PAVOR DA QUEDA - AO MENOR SINAL DE INDIFERENÇA DA MÍDIA ELE PERDE AS ESTRUTURAS



Moro presta um serviço fundamental à mídia. Os vazamentos da Lava Jato são ouro. No pacote, foi transformado no Batman. De mentirinha, claro.

Texto de Kiko Nogueira no DCM

Sérgio Moro cruzou o Rubicão com sua carta enfezada para a Folha respondendo ao colunista Rogério Cézar de Cerqueira Leite.

O brilhante artigo de Cerqueira Leite compara Moro ao frei dominicano Girolamo (Jerônimo) Savonarola, moralista que tentou transformar a Florença do final do século 15 num estado cristão.

Foi enforcado e depois incinerado numa fogueira.

“Imaginem só como Moro seria terrivelmente infeliz se não existisse corrupção para ser combatida”, escreveu o professor. “Só vai vosmecê sobreviver enquanto Lula e o PT estiverem vivos e atuantes”.

Moro se revelou em vários sentidos. O primeiro deles é que Cerqueira Leite acertou na veia e seu personagem vestiu a carapuça.

O segundo é que Moro expôs uma faceta terrivelmente antidemocrática. “A publicação de opiniões panfletárias-partidárias e que veiculam somente preconceito e rancor, sem qualquer base factual, deveriam ser evitadas”, apontou.

Ora, deveriam por quê? Quem decide o que se enquadra nessa definição? Ele? O jornal — o Brasil — ganhou um super editor?

Um limite foi ultrapassado e isso ficou patente na maneira como a Folha lidou com o caso. Um pacto ganhou uma rachadura.

No sábado à noite, a coluna de Cerqueira Leite foi novamente publicada por causa de um erro: Savonarola foi queimado em Florença, não em Roma. Para fazer essa correção, não era necessário reproduzir tudo de novo, mas foi o que ocorreu.

Mais: no dia seguinte, o autor publicou uma tréplica.

Respondo aqui ao juiz Sergio Moro, embora ele não tenha se rebaixado a responder a um simples plebeu, preferindo incitar a Folha a censurar meus artigos (Painel do Leitor, 12/10). Acusa-me o juiz de promover atos de violência. O fogo a que me refiro é o fogo da história. Intelectos condicionados por princípios de intolerância não percebem a diferença entre metáforas e ações concretas. O juiz ainda se esquiva de responder à principal acusação que lhe faço, a de que é absolutamente parcial e está a serviço das classes dominantes.
 O professor Rogério Cezar de Cerqueira leite é um engenheiro eletrônico e físico brasileiro. Graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto de Tecnológico de Aeronáutica - ITA, em 1958, obteve seu doutorado em Física pela Universidade de París (Sorbone) em 1962. Trabalhou como pesquisador da Bells Laboratories de 1962 até 1970. Lecionou no ITA na Unicamp (1970 a 1987) e na Universidade de Paris (como professeur d'echange). Dirigiu o Instituto de Física e criou o Departamento de Física do Estado Sólido da Universidade de Campinas (Unicamp). Na verdade precisaria de um texto só pra citar os cargos e premiações do professor Cerqueira.

É tão contundente quanto o trabalho que deu origem à série, talvez mais. O trecho sobre os “intelectos condicionados” é uma cacetada no fígado.

Em situações normais, não teria saído. A Folha poderia ter dado o assunto como encerrado com a manifestação do “ofendido”. Mas ele exagerou na dose.

Moro presta um serviço fundamental à mídia. Os vazamentos da Lava Jato são ouro. No pacote, foi transformado no Batman. De mentirinha, claro.

O problema é que ele acreditou. A ponto de sugerir a um jornal o que ele deve ou não dar. Abusou. Achou que estava acima do bem e do mal e se queimou. O cristal se quebrou. E nada indica que ele vá parar por aí.

Ah, sim. Antes que alguém me entenda mal: “se queimou” é figura de linguagem.



Nenhum comentário:

Postar um comentário