segunda-feira, 8 de junho de 2015

PRESIDENTE DA CPI DO HSBC, RANDOLFE DIZ QUE 'NÃO VAI ENTREGAR PIZZA'










O presidente da CPI do HSBC, senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), diz temer pelos rumos da investigação acerca da movimentação de US$ 7 bilhões em 5.549 contas secretas em nome de brasileiros abertas na filial suíça da instituição financeira. Segundo o parlamentar, diversos membros da CPI estão jogando duro nas votações para quebrar o sigilo dos investigados o que pode levar a CPI a uma situação de paralisia. "Diria que há um movimento de esvaziamento da CPI", disse Rodrigues ao portal Ig.

"Pode levar ao naufrágio. Não vou aceitar que essa CPI, que propus, que acho que é uma das CPIs mais importantes da história brasileira, que é responsável pela provável evasão de divisas de US$ 7 bilhões, maior que o ajuste fiscal proposto pelo [ministro da Fazenda Joaquim] Levy, se transforme em pizza. E se for para se transformar em pizza, não serei o entregador dela", disparou.
O senador destaca que o principal problema está relacionado a quebra do sigilo dos investigados. "Estamos há três semanas sem nos reunir. Nos reunimos para apreciar quebra de sigilo bancário e sempre tem um problema para apreciar. Quando não é problema de quórum, alguém diz que não é o momento", lamentou. "CPI não tem de ter medo de investigar e nós, nesse momento, estamos com medo de investigar", afirmou.
Nesta terça-feira (9), está previsto o depoimento de Henry Hoyer, que também teve o seu nome citado na Operação Lava Jato como uma espécie de substituo do doleiro Alberto Youssef. "Espero tirar alguma coisa do depoimento dele. Se não tirarmos assim, talvez depois na apreciação da quebra do sigilo", observou Rodrigues. Caso prefira, Hoyer poderá optar por ficar em silêncio durante sua ouvida.




Nenhum comentário:

Postar um comentário