segunda-feira, 30 de novembro de 2015

FHC, O CORRUPTO MOR, DIZ QUE COMPRARAM OS VOTOS DA SUA REELEIÇÃO SEM QUE ELE SOUBESSE DE ALGUMA COISA. PODE?...





FHC assustado, se diz vítima


Em entrevista a Mariana Godoy e longe das perguntas enviadas pelo chefe Ali Kamel, a entrevistadora parecia uma espécie de Risadinha de Saias, ou, a versão mais feminina de Roberto Dávila.

A vida seria uma beleza se as entrevistas pudessem ser feitas apenas num ambiente de risadas.
Mas não é assim. E as melhores entrevistas da história contêm, todas elas, tensão e, não raro, antagonismo. Porque o objetivo não é alegrar o entrevistado e sim informar o público.
Uma clássica, da Playboy americana, foi bruscamente interrompida quando o entrevistado, o jovem Robert de Niro, pegou o gravador do jornalista e o espatifou contra a parede.
Mas, fora os sorrisos, o que mais me chamou a atenção na conversa de FHC com Mariana foi a postura dele em relação à compra de votos no Congresso para que ele pudesse ter um segundo mandato, então proibido pela Constituição.
FHC, durante muito tempo, negou essa realidade palpável, expressa em feias maletas cheias de numerário, conforme evidências tão fortes quanto as que trouxeram à luz as contas na Suíça de Eduardo Cunha.
Para tanto, FHC contou com o apoio da imprensa amiga, para a qual maletas com dinheiro não eram um assunto digno de ser colocado em entrevistas com FHC.
Mas a internet mudou as coisas, e em sites independentes a compra é frequentemente lembrada, em seus detalhes mais vívidos. E da internet o episódio ganhou, enfim, alguma atenção da imprensa.
Até no Roda Viva o assunto apareceu, claro que do jeito que você poderia esperar de um programa como aquele.
FHC, diante das novas circunstâncias, foi obrigado a aceitar o fato de que sua reeleição foi comprada.
Mas, e isto é fundamental, ele encontrou sua própria e personalíssima versão dos acontecimentos, como ficou claro no programa de Mariana Godoy.
FHC se coloca, indignado, como vítima da compra. O beneficiário foi ele. Tudo foi feito para ele. Cada cédula nas maletas tinha como objetivo proporcionar mais quatro anos de presidência para FHC. (Aqui, um vídeo de um repórter da Folha que cobriu a compra, em 1997.)

E no entanto ele fala do assunto como se tivesse sido vítima de uma armação infernal de forças ocultas.
Não foi coisa dele, não foi coisa do PSDB, não foi coisa do seu amigo Sérgio Motta, tesoureiro do partido e amigo seu de décadas.
Talvez FHC evolua, em breve, para a seguinte versão: foi coisa do PT. De Lula.
Em seu jorro de indignação, ele usa como argumento o fato de que a emenda foi aprovada com larga margem e que ele foi reeleito no primeiro turno.
Mas um momento.
Só faltava você comprar votos no Congresso e perder na votação, tanto mais que o dinheiro – limpo, naturalmente – só era entregue contra a demonstração do voto comprado.

Quanto à vitória nas eleições presidenciais, o que uma coisa tem a ver com a outra? Nada, mas FHC decidiu dizer que tem. Se entendi, é como se o voto popular absolvesse e abençoasse a compra.
Então ficamos assim, como vimos no programa de Mariana Risadinha Godoy.
FHC foi vítima do dinheiro que comprou seu segundo mandato.



Nenhum comentário:

Postar um comentário