quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Falta uma assinatura para a instalação da CPI do Aecioporto em MG





Minas Gerais, mais uma vez, vai mostrar ao Brasil como é que se faz.


De acordo com o vice-líder do PT na AL-MG, deputado Rogério Correia, 25 dos 77 deputados da casa já assinaram o pedido de instalação da CPI. “Só precisamos de mais um voto e, por isso, acreditamos que, com este fato novo, conseguiremos atingir os 26 necessários”, esclarece.


A transferência da administração do aeroporto de Cláudio (MG) do governo do estado para a prefeitura do município - assinada em 24/6 e divulgada no Diário Oficial somente agora, na sexta (21), após o fim do processo eleitoral - pode ser o elemento que faltava para que a Assembleia Estadual de Minas Gerais aprove a instalação da “CPI do Aecioporto”.

Ele afirma que o objetivo da comissão é investigar possíveis irregularidades na construção do aeroporto pelo então governador Aécio Neves (PSDB) nas terras de seu tio-avó, que foi indenizado com dinheiro público e, até junho, controlava o acesso à pista não reconhecida pela Agência Nacional de Aviação (Anac).

Terra de Risoleta Neves, a esposa do ex-presidente Tancredo Neves, avô do senador Aécio, Cláudio é um pequeno município de 27 mil habitantes que já conta dois aeroportos nas redondezas: um a 52 Km, em Divinópolis, e outro a 44 Km, em Oliveira.

Na semana passada, há 40 dias do PT assumir o governo de Minas, o atual governador, Alberto Coelho (PP), transferiu, por meio de convênio, o aeroporto para Cláudio, administrada por José Rodrigues de Araújo, conhecido como “Zezinho do Zé do Juquinha”. Ambos pertencem ao grupo político de apoio a Aécio. “O que parece é que estão tentando apagar as digitais para que as falcatruas não venham à tona”, aposta Correia. 

Ele sabe, porém, que o caminho até a CPI será árduo na assembleia majoritariamente tucana. Como exemplo, cita uma outra comissão barrada pela casa. “Já conseguimos 27 votos pela instalação da CPI do Mineirão, mas o presidente da AL-MG, Dinis Pinheiro, que também foi o candidato à vice-governador pelo PSDB, simplesmente não lê o requerimento em plenário. E como a imprensa de Minas não noticia nada que prejudique o PSDB, tememos que esta denúncia também seja engavetada”, denuncia.

O deputado, por isso, mira também em outras frentes. Nesta segunda (24), encaminhou representação ao Ministério Público Estadual (MPE) e ao Ministério Público Federal (MPF) cobrando investigações sobre possíveis irregularidades cometidas na construção do aeroporto e o cancelamento do contrato que transfere sua administração à prefeitura de Cláudio. 

Correia também questiona eventuais responsabilidades dos envolvidos pelo misterioso incêndio ocorrido em parte do prédio da prefeitura, em 11/8, dois meses após as denúncias virem a público, que pode ter destruído documentos relativos ao caso. 

“São muitas as coisas estranhas que acontecem em Cláudio. Além da construção deste aeroporto em terras da família do governador, houve o caso do helicóptero flagrado com 500 quilos de cocaína, que partiu das proximidades da área da pista. Ocorreu o incêndio na prefeitura e também foi levantado que, nas terras de Aécio, ali nas proximidades, já foi encontrada até uma ossada humana. Tudo isso precisa ser investigado”, acrescenta o deputado.

Na solicitação encaminhada à Comissão de Assuntos Municipais e Regionalização da AL-MG, Correia solicita a realização da uma audiência pública para debater os investimentos do governo de Minas no aeroporto de Cláudio. Entre os convidados sugeridos contam o senador Aécio Neves, o atual governador do Estado, além de representantes do MPE, MPF, Anac e Infraero, dentro outros.




Nenhum comentário:

Postar um comentário